Rodrigo Zin lança o single “Azul dos Muros” que antecipa o trabalho do disco “Grana Azul”

Rodrigo Zin lança o single “Azul dos Muros” que antecipa o trabalho do disco “Grana Azul”

Faixa “Azul dos Muros”  funciona como um prólogo para trabalho do artista revelação

Unindo MPB com trap em seu rap experimental, Rodrigo Zin é uma das revelações do hip hop nacional. Prestes a lançar seu novo álbum, “Grana Azul”, um trabalho conceitual, ele antecipou o projeto com o single “Azul dos Muros”, que dá um pouco do clima de distopia da trama criada pelo artista.

A capa do single, assinada pela artista CamilaBinnieCarwalho, é uma versão ilustrada da capa do primeiro álbum de Rodrigo Zin, “Francisco Oceano”. Enquanto a primeira apresenta um pouco da cidade natal do artista, Curitiba, a nova retrata um cenário pós-apocalíptico.

‘Azul dos Muros’ apresenta tudo o que terá de mais marcante no disco. Tem a narração do personagem Rei Caído, possui Corais, uma orquestra de fundo, vocais melódicos e com autotune, produção do .enzo e do Slashrr, que são os produtores principais do álbum e um pouco de rap”, conta Rodrigo Zin. “Sem falar que fora uma faixa feita no improviso, seja nas falas do Arthur Augustus ou na gravação dos meus vocais – fizemos praticamente 90% do som na hora, sem precisar ler ou escrever algo”, completa.

Cantor, compositor e produtor musical curitibano, Zin fez de seu novo disco, “Grana Azul”, um épico rap sobre um mundo pós-apocalíptico e sua relação com o afeto e perdas das pessoas. É uma realidade de um planeta sem água, com humanos sujos que só vivem pelo dinheiro e tentam sobreviver sob um céu vermelho, este manchado pela poluição das empresas.

A faixa recebe esse nome graças aos muros azuis que cercam a cidade da minha história. Os donos da cidade ordenaram que as pessoas pintassem os muros de azul em homenagem aos mares extintos. O azul dos muros representava a última gota de esperança da humanidade – era pras pessoas nunca se esquecerem qual era a verdadeira cor do mar e do céu. Mas infelizmente muitos ainda ligavam o azul dos muros com o azul do dinheiro”, antecipa ele.

Mais sobre a trajetória de Rodrigo Zin

Designer de formação e interessado por artes visuais desde a infância, sua jornada de interesse por música, artes e hip hop surgiram juntas. Rodrigo começou a compor letras de rap e rock no começo da adolescência, seja criando histórias ou se influenciando pelo mundo à sua volta. Com o passar dos anos, foi se dedicando aos estudos de produção musical e vocal e encontrando a sua voz.

Hoje, o artista mistura a poesia do cotidiano de nomes da MPB como Los Hermanos e Cícero com a brasilidade de Criolo, a produção recheada de samples no estilo Papatinho e Kanye West e a busca pelo novo de artistas como Donald Glover/Childish Gambino, Frank Ocean e Jaden Smith.

Após dois EPs o indisponível “Depois de Tudo”, de 2013, e “Canções para Você”, de 2016), tudo mudou em 2018, quando Rodrigo Zin gravou e lançou três álbuns. Dois deles, “Francisco Oceano” e o “Fazendo Grana Pro Meu Filme”, contam a história do personagem Imortal, chamado “Ninguém”, da Vida e da Morte – e explica como o mundo está em colapso por causa das poluições (sejam figuradas ou não).

No total, foram lançados seis clipes do disco “Francisco Oceano” com apoio da Affluence Films e dois clipes do “FZND GRN PMF”, como o segundo álbum também é conhecido. Um deles, para a faixa “O Mais Vendido”, foi premiado cinco vezes na Hollywood Film Academy Awards.

No fim do ano, Rodrigo lançou “Fazenda Diamante”, disco colaborativo com o produtor renomado Will Diamond focando numa pegada trap e foi coroado como Artista Revelação do ano pelo Genius Brasil.

Em breve o rapper lançará o novo disco “Grana Azul”, que tem co-produção de Slashrr e enzo e contará com participações especiais de GABZ, Tuyo, FBC, Cidrais, niLL e outros.

Deixe uma resposta