Festival Favela Sounds 2018 traz cultura e música das periferias do Brasil em programação gratuita

Festival Favela Sounds 2018 traz cultura e música das periferias do Brasil em programação gratuita
Avalie este post

Nomes como Flora Matos, La Furia, Don L, Drik Barbosa, Rico Dalasam e Hodari compõem a programação musical da terceira edição do festival Favela Sounds

O Favela SoundsFestival Internacional de Cultura de Periferia” chega a sua terceira edição em 2018. Neste ano, a aposta da curadoria é em uma programação ainda mais variada e representativa das diversas periferias do Brasil e, claro, com representação internacional. Sob o tema do “Afrofuturismo”, o festival acontece entre 19 e 24 de novembro, com atividades em diversas Regiões Administrativas e shows no Museu Nacional da República. Todas as ações são gratuitas.

Realizado no Mês da Consciência Negra, o Favela Sounds levará o público do DF à quatro oficinas, cinco debates e dois dias de shows. Além disso, o evento ainda realiza três atividades em unidades do Sistema Socioeducativo do DF. Sempre atento à necessidade de inclusão e ao debate de pautas como o empoderamento negro e periférico, o feminismo e os direitos LGBTQIA+, Favela Sounds tem como meta, em todas suas etapas, fomentar a diversidade e a valorização das produções periféricas.

Em 2018, o festival finca sua inspiração no movimento Afrofuturista. Nascido na década de 1960, o Afrofuturismo foi um grito da população negra quanto à sua existência, resistência e à valorização de sua cultura, tornando-se um importante movimento cultural que inspira a importância da identidade negra para a construção do futuro. Essa estética permeia toda a terceira edição do Favela Sounds, sendo base para a identidade visual – criada pelo grafiteiro/arista plástico POMB – e inspiração para a curadoria, que traz nomes como Rico Dalasam (SP), Keila (PA), Hiran (BA) e Flora Matos (DF/SP).

Além deles, sobem ao palco La Furia (BA), Don L (CE), MC Tocha (PE), Mulher Pepita (RJ), Drik Barbosa (SP), Flávio Renegado (MG), Preta Rara (SP), Deize Tigrona (RJ), Bia Ferreira (SP), Fabriccio (ES), MC Tha (SP) e Sandrinho Contexto (RJ). Além deles, o Favela 2018 conta com a presença internacional do DJ Marfox, artista de São Tomé e Príncipe radicado em Lisboa, residente da “Noite Príncipe”, uma das principais iniciativas para a popularização do afrohouse da Europa.

Este ano, o festival ainda homenageia o Mr. Catra que foi o primeiro incentivador do Favela Sounds.

Representando a riquíssima produção periférica do DF, apresentam-se Hodari, nome em ascensão que tem ganhado visibilidade nacionalmente; Donas da Rima, ícones do rap local; Yorubeat, novo projeto da DJ Donna e do DJ Jeff Bass que tem como base o movimento do afrohouse; Forró Red Light, duo de DJs que aposta em uma mistura do tradicional forró aos beats da música eletrônica, sobretudo a bass music; DJ Janna, reconhecido nome do movimento Hip Hop; Na Batida do Morro, selo das pistas de Brasília com set de funk; Marmittos, novidade do cenário rap da capital e a DJ Kashuu, que também soma à festa as maiores novidades do funk carioca e paulista.

Com patrocínio da Oi e Skol, por meio da Lei de Incentivo à Cultura do Distrito Federal, e realizado pela Um Nome Produção e Comunicação, a programação do Favela contempla oficinas em diferentes regiões administrativas do DF. Nomeado de “Ralação”, este ano esse importante ponto do festival acontecerá no Varjão, com a oficina de Produção de faixas autorais de baixo custo, ministrada por Higo Melo (no Espaço Palco); na Ceilândia, com a oficina de Cenografia, ministrada por Diego Zabelê (no Jovem de Expressão); em Samambaia, com a oficina de Empreendedorismo na Quebrada, ministrada por Wemmia Anita (no Espaço Imaginário Cultural); e em São Sebastião, com a oficina de Percussão ministrada por Macaxeira Acioli (na Casa Frida).

A etapa Papo Reto também ganha mais força, adentrando escolas da rede pública de ensino com importantes debates. A rapper Preta Rara, que faz parte da programação dos shows, é o nome da mesa “Rap é compromisso – Rima e identidade”, que será realizada nas escolas CED 3 (Sobradinho) e Centro de ensino Fundamental Telebrasília (Vila Telebrasília). Já Renê Silva, jovem criador do jornal comunitário “Voz das Comunidades” e atualmente um dos 100 jovens negros mais influentes do mundo segundo a organização nova-iorquina MIPAD, é o convidado da mesa “Notícias da favela para a favela – Como o jornal ‘Voz das Comunidades’ ganhou o mundo“, realizada no Riacho Fundo.

A arena do evento, no Museu Nacional da República, também recebe dois importantes debates. Na sexta-feira, dia 23, a programação do Baile tem início mais cedo, às 17h, com a mesa “Toca na pista, toca na Favela – Fomento, produção musical, distribuição e novas plataformas”, que tem como convidados um representante da Secretaria de Cultura do DF, um convidado do LabSônica, laboratório de experimentação artística da Oi Futuro (RJ), e um convidado de uma plataforma de distribuição online, nomes que serão divulgados em breve. Para finalizar a etapa, a literatura negra e o encarceramento de massa são os temas debatidos pela escritora paulistana Juliana Borges, no sábado, às 16h, na mesa “Literatura Negra”.

O Favela Sounds realiza ações, também, em unidades do Sistema Socioeducativo do Distrito Federal. Nomeada de “Tamo Junto”, a etapa acontece em formato de conversa e pocket shows, contando com os artistas Vera Verônika, Nego Dé e o DJ Chokolaty. Eles se apresentam e compartilham suas trajetórias artísticas com meninas e meninos do sistema: um papo inspirador sobre vida na periferia e os desafios das realidades dos jovens em questão e perspectivas de futuro.

A curadoria musical do Favela Sounds é assinada por Guilherme Tavares e Amanda Bittar, diretores da Um Nome Produção e Comunicação. O festival conta com apoio da Oi Futuro, CMA Advogados, Ruas, DSS Locadora e Turismo, Rádio Cultura, Restaurante Pê Efe, Panificadora Trigo de Ouro e Sticker Squid.

Serviço da 3a Edição do Favela Sounds “Festival Internacional de Cultura de Periferia”

  • Quando: de 19 a 24 de novembro
  • Onde: Museu Nacional da República (shows) e diversas RAs – Consulte a programação completa e classificação indicativa em no site oficial do Favela Sounds
  • Ingressos: Entrada franca com necessidade de retirada de ingresso no Sympla
  • Realização: Um Nome Produção e Comunicação
  • Patrocínio: Este projeto conta com patrocínio da Oi e Skol via Lei de Incentivo à Cultura do Distrito Federal.

Deixe uma resposta