Emicida, Drik Barbosa e Djonga estrelaram “Open For Kings” da Budweiser

Emicida, Drik Barbosa e Djonga estrelaram

Open For Kings: Budweiser convida público a ser o rei de sua própria história para o Lollapalooza Brasil

Para inspirar os fãs de música, Budweiser começa a contar sua história para o Lollapalooza Brasil deste ano. A cerveja oficial do evento apresenta o conceito Open For Kings que dá luz aos Kings of Culture, artistas que, segundo a marca, “construíram um caminho único e inspirador para realizarem seus sonhos e chegarem onde estão”.

Personalidades da cena do rap brasileiro e responsáveis por trilharem suas próprias histórias em uma trajetória de resistência e luta, Emicida, Drik Barbosa e Djonga são os Kings of Culture de Budweiser e dão vida ao filme que trata das conquistas de cada um deles.

Com criação da agência Africa, produção da Stink e direção do YOUTH, a campanha remonta frases icônicas dos Kings, dão o tom do roteiro e mostram a personalidade que cada um deles imprime em seu repertório musical.

A partir da frase: “Para quem já mordeu cachorro por comida, até que eu cheguei longe…”, Emicida retrata os desafios vencidos em seu caminho. Com “Eu não faço rap de mina, eu faço rap”, Drik Barbosa mostra a luta pela igualdade no gênero musical predominantemente masculino. Já Djonga traz toda sua força como resultado do apoio coletivo com a afirmação: “Se você olha pro palco e acha que subi sozinho, vê direito”.

 

Budweiser quer inspirar os consumidores a serem os próximos Kings e protagonizarem suas próprias histórias. Os nossos Kings foram escolhidos por suas trajetórias únicas que transmitem verdade para seu público”, explicou Alice Alcântara, gerente de marketing da marca.

Como marca, a Bud tem entrado cada vez mais na cena e cultura do rap, um gênero  que sempre teve uma influência enorme no Brasil. Então decidimos aproveitar o Lollapalooza, que para a cerveja é um dos grandes momentos do ano, para falar sobre ser um King, ou seja, uma pessoa protagonista da sua própria história, mas também para entrar neste universo do rap e da cena musical nacional”, comentou Matias Menendez, diretor executivo de criação da Africa.