Costa Gold lança álbum “AUGE” com Mc Caveirinha, Kayblack, Rael e Papatinho

Tudo sobre o mais novo Álbum do Costa Gold

Prestes a completar 10 anos de carreira na cena rap e em um excelente momento de sua trajetória, o Costa Gold lança nesta quinta-feira (15) seu novo álbum “AUGE”. O projeto, que sai pela Som Livre, chega às plataformas digitais com 13 faixas – sendo nove inéditas – e participações especiais de nomes como L7NNON, Papatinho, KayBlack, MC Caverinha, Rael, MC Rebecca e Jovem Dex. O grupo paulista composto por Predella, Nog e DJ Cidy aposta ainda em um conceito audiovisual unificado para todas as oito tracks inéditas, que chegam com music visualizers, além do clipe da música de trabalho, “O Pai Tá ON”.

No conjunto de vídeos, o elevador foi escolhido com um denominador comum para contar a história do álbum. O elemento, que eleva os artistas rumo ao “AUGE”, é repleto de simbolismo. Em cada um dos visualizers – “Nojento”, “A Praia”, “Ela Vai”, “Aquele Som”, “Criminal”, “GVNG”, “04:25”, “Nada Bom” – os artistas atingem novos andares, sempre em direção ao topo. Ao final, com o clipe de “O Pai Tá On”, uma surpresa: o elevador desmonta e se mostra um cenário, revelando um estúdio ao redor. “Chegamos no auge, que é a última faixa/andar, e o nosso auge é o estúdio. E quando chegamos no topo e as paredes do elevador caem, é a mensagem de que começa tudo de novo, que a gente não se acomoda”, conta Predella sobre o conceito.

Para além do material audiovisual, o novo trabalho como um todo apresenta a leitura que o Costa Gold faz sobre o conceito de auge em todas as suas possibilidades, tanto positivas – no sentido de estar no topo, no seu melhor momento – quanto negativas – podendo ser o auge da tristeza, de estar no fundo do poço. Sobre o nome do projeto, a opção por esta palavra única e impactante traduz tanto a qualidade musical do disco quanto o ótimo momento do grupo, além de simbolizar esse espaço – o “AUGE” – como sendo o alvo de uma eterna busca.

Não à toa, a ordem escolhida para as 13 faixas do álbum passa longe de ser aleatória. A sequência das músicas – todas amarradas pelo mesmo conceito, embora apresentem estilos diferentes entre si – segue uma lógica e tem a intenção de apresentar uma determinada percepção em quem ouvir. “Esse álbum chega com vários estilos musicais, de faixas que foram criadas em diferentes momentos do Costa Gold no decorrer de dois anos. Então, por não ser um álbum que só traz uma temática e um estilo de música, a ordem tem um sentido específico, que impacta diretamente no resultado para quem ouve”, diz Nog.

Para entender o cuidado que Nog e Predella expressam na construção de “AUGE”, a melhor experiência é ouvir o produto final e comprovar por si mesmo. A track de abertura, “Nojento”, funciona como uma introdução para o universo múltiplo do disco. “A Praia”, por sua vez, foi criada na Califórnia, durante uma turnê do grupo nos Estados Unidos, em um passeio de carro pelo litoral local. Já “Ela Vai” é um rap mais melódico com a participação de Rael, em uma sonoridade mais brasileira e com direito a violão.

Ainda no clima da anterior, “Aquele Som” é uma música de pegada romântica, sobre cuidar de quem se gosta, e traz ainda Don Juan. “The Cypher Deffect 2” – lançada em 2020, a primeira faixa não inédita a aparecer em “AUGE” – foi inspirada nos cyphers do movimento Hip-Hop. Já “N.A.D.A.B.O.M pt. 3” equilibra um caráter extremamente pessoal com flows diferentes e características bastante modernas, como refrão de uma única frase. “Ai Bebê”, que conta também com participação de MC Rebecca e Jovem Dex, é um dos hits mais recentes do grupo, tendo seu clipe alcançado a marca de 1 milhão de views em dois dias. A faixa seguinte, “Ciclone”, foi o último single lançado antes do álbum, e une o tom cômico, ácido e irreverente característico do Costa Gold.

Com beat dançante e humor reflexivo, “UAU!” viralizou no TikTok e bateu a marca de 20 milhões de visualizações no YouTube, além de permanecer por semanas no Top200 do Spotify. Apresentando uma forte crítica social, “Criminal” reflete sobre como na América Latina as desigualdades são escancaradas. “GVNG!”, como o nome propõe, fala sobre o rolê de estar com os amigos e traz uma pegada californiana a la Kendrick Lamar. Em “04:25”, embora com uma sonoridade distinta, a temática de curtição da faixa anterior se mantém.Já “O Pai Tá ON”, faixa de trabalho que encerra o álbum, é fruto de uma antiga vontade dos integrantes do Costa Gold de realizarem um trabalho com Papatinho, L7NNON e MC Caverinha. Com uma vibe animada e pra cima, nela os artistas rimam sobre superação e o caminho percorrido até alcançarem o sucesso, citando diversos símbolos de ostentação. Não à toa, essa foi a track escolhida para fechar o disco. Tanto na sonoridade quanto na mensagem, o conceito de “AUGE” fica explícito mais uma vez: rumo ao topo.

Comentários Facebook